Nossa culpa

Eu de um lado e você do outro. Entre nós existe um muro construído por culpa, erro, insensatez e inconsequência, todos unidos por mal entendidos. Nessa distância, eu grito daqui e não sei se você grita de lá. 



Não consigo te ouvir, só consigo ouvir a mim mesmo, repetindo os mesmos argumentos, que perdem cada vez mais o sentido. Quem ganhou? Acho que não houve vitória. Nós dois saímos perdendo e continuamos perdendo. 

Gostaria de saber como você está, por que não me responde? Se ambos estão magoados, se ambos estão chateados. Então por que não dar as mãos e declarar uma trégua? Começar a trabalhar em um tratado de paz?

Eu não falo nisso, você não faz aquilo e procuramos uma nova maneira de coexistir. Nada mais dessa história de vizinhos pós-modernos, com apenas uma bela parede de tijolos em comum. Cave um buraco daí, eu cavo um buraco daqui e nos encontramos no meio. 

Mea culpa não. Nostra culpa. Nosso relacionamento e nossa parede estúpida são tão antiquados. Separamos em duas partes um mundo só, mais cedo ou mais tarde é hora do muro cair e as partes se encontrarem.

Leia também: Sem propósito

Comentários