Ferida aberta

2015 tem sido um ano de novidades para mim, algumas ruins e algumas boas. Dentre as boas, a mais recente é fazer parte de um grupo de blogueiros no Whatsapp. Uma das integrantes, uma amiga, propôs que a gente discutisse um tema e depois cada um fizesse um texto refletindo sobre ele. O tema escolhido? Relacionamentos. Minha reflexão? Ferida aberta.


Esse ano completei 26 anos, carregando comigo alguma bagagem emocional. Eu me caracterizaria como um romântico incurável, desde criança ouvindo músicas românticas e fantasiando histórias de amor. Casamento, filhos... A essa altura do campeonato só namorei duas vezes, um muito curto e outro muito longo.

Minha sensação de fracasso na vida amorosa é notável, minha descrença nos relacionamentos é aparente. Não porque eu ache que o amor não existe, eu sei que ele está por ai dando sopa, mas nosso principal questionamento durante a discussão foi: as pessoas querem se comprometer?

Porque namorar só por namorar é fácil. Mudar o status de relacionamento nas redes sociais é fácil por demais, mas mudar o status na vida real requer um esforço maior por parte das duas pessoas. E a revolta geral é de ver declarações públicas de amor e sentir um cheirinho de falsidade no ar.


A última vez em que estive solteiro eu tinha 22 anos, pensei que com a evolução tecnológica as pessoas tinham evoluído também, mas vejo que elas estão piores. A facilidade proporcionada pelos apps dão a ilusão de que se envolver é fácil também.

E o pior de tudo é gente que acha graça em viver a vida superficialmente. As razões para as coisas estarem assim eu desconheço, cheguei agora nessa “festa” e ainda não vi um rosto familiar, não conheço a dança e vou me arrastando pelos cantos até me sentir confortável.

Hoje, mais do que nunca, eu sei o que é a dor de um coração partido e que somente o amor machuca desse jeito, mas estar apaixonado é uma das melhores coisas do mundo e embora algumas dores talvez sejam incuráveis o meu romantismo também é. Então eu vou continuar esperando a minha vez de ganhar nessa loteria.


Leia também: Surpreenda-se em #Crônicas.

Comentários

  1. "mas estar apaixonado é uma das melhores coisas do mundo e embora algumas dores talvez sejam incuráveis o meu romantismo também é. Então eu vou continuar esperando a minha vez de ganhar nessa loteria."

    Muito bom, Lucas! Excelente postagem.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ben, filho do Ross de Friends, se forma na Universidade de NY

Amizade virtual x Amizade real

O Palhaço Fulermino

O preço da prostituição