O Pedido

Meia-noite. Maria estava sem sono. Ela nunca dormia bem no apartamento do seu namorado. Bebeu um copo d’agua e foi até a varanda. Sentou e observou a Avenida Marechal Castelo Branco e a movimentação dos carros. Contemplou o rio, as estrelas, a lua cheia e as luzes da ponte estaiada mudando de cor. Permaneceu ali, observando, até que finalmente adormeceu. Na manhã seguinte, o forte sol da manhã e o tráfego da ponte JK a despertaram. Levantou-se. Chegando ao quarto, seu namorado, Carlos, não estava lá. Perambulou pelo apartamento, procurando-o, e encontrou um bilhete na porta da geladeira, que dizia: “estava tão linda dormindo que fiquei com pena de acordá-la. 

Fui correr na Av. Raul Lopez. Almoçamos juntos?” após ler o recado, foi banhar e se preparar para o trabalho.

 - Liguei para sua casa ontem e me disseram que você estava no apartamento do Carlos - Ana, amiga de trabalho, ironicamente, disse.
 - Estava. - Maria ri
 - Vocês namoram há anos, você está sempre no apartamento dele... O que está faltando para vocês se casarem?
 - Não sei.

Mais tarde, Maria encontra Carlos no restaurante que os dois costumam frequentar. Carlos nota que Maria está mais quieta do que nunca.

 - Aconteceu alguma coisa no trabalho? - Carlos pergunta
 - Não.
 - Aconteceu alguma coisa com a sua família?
 - Nada de importante. Minha prima foi pedida em casamento.
 - Amor, você tem muitas primas.
 - Não importa qual delas é. É mais um casamento que nós temos que ir.
 - Você tem alguma coisa contra casamentos?
 - Eu não. Você tem?
 - Também não.

E o restante do almoço acontece ao som dos talheres e da conversa das outras pessoas em outras mesas.

Eles são um casal do tipo saudável: ele corre, ela pedala e eles, vez ou outra, praticam outros esportes que vão de natação a rapel. Na noite em questão, eles praticaram rapel na ponte estaiada, lado a lado.

 - Maria! - Carlos grita.
 - Você quer descer? - Pergunta Maria
 - Não, eu quero casar. Casa comigo? - Carlos tira do bolso da camisa uma caixa aberta com um anel. Maria, surpresa, solta sua corda durante alguns segundos, descendo bruscamente.
 - Seu idiota, não poderia pedir como qualquer outro cara?  - Consegue segurar-se novamente na corda.
 - Claro que eu caso. Os dois se aproximam emocionados e se beijam. As pessoas presentes vibram aplaudindo. Algumas mulheres dão um empurrãozinho em seus acompanhantes.
 - Ah, amor - diz Carlos quando eles chegam ao chão - é mais um casamento que nós temos que ir.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ben, filho do Ross de Friends, se forma na Universidade de NY

Amizade virtual x Amizade real

O Palhaço Fulermino

O preço da prostituição